Não Dispense o Protetor Solar no Inverno

Pele-Protetor-Solar-no-Inverno

Os cânceres de pele são os mais incidentes no Brasil, representando cerca de 30% de todos os casos da doença – um número que chega a 165 mil novos casos por ano, segundo dados do INCA (Instituto Nacional de Câncer). Por isso, o verão é marcado por intensas campanhas de conscientização sobre a doença, mas isso não significa que as estações mais frias do ano não representam risco para a pele.

Em geral, as pessoas tendem a relacionar o câncer de pele exclusivamente ao melanoma. Contudo, 95% dos casos de tumores cutâneos identificados no Brasil são classificados como não melanoma, um índice que está diretamente relacionado à constante exposição à radiação ultravioleta (UV) do sol. O sol durante o inverno, apesar de parecer mais “fraco”, continua emitindo radiação, que possui um efeito cumulativo na pele.

De acordo com Dr. Bernardo Garicochea, oncologista e especialista em genética da unidade do Grupo Oncoclínicas em São Paulo – Centro Paulista de Oncologia (CPO) -, é importante a avaliação frequente de um dermatologista para acompanhamento das lesões cutâneas. “As alterações a serem avaliadas como suspeitas são o que qualificamos como ‘ABCD’- Assimetria, Bordas irregulares, Cor e Diâmetro. A análise da mudança nas características destas lesões é de extrema importância para um diagnóstico precoce”.

Evitar a exposição excessiva e constante aos raios solares sem a proteção adequada é a melhor medida – e isso vale desde a infância. Vale lembrar que, mesmo áreas não expostas diretamente ao sol e menos visíveis – como o couro cabeludo – podem apresentar manchas suspeitas.

Imunoterapia e o melanoma

O melanoma é o tipo de câncer que apresenta o maior número de mutações genéticas no DNA do tumor. Essas mutações podem confundir o sistema imunológico do paciente e dificultar a ação de terapias tradicionais. Por isso, a imunoterapia é uma das grandes aliadas no tratamento da doença.

“A Imunoterapia é o tratamento que promove a estimulação do sistema imunológico por meio do uso de substâncias modificadoras da resposta biológica. Em resumo, trata-se de um grupo de drogas que, ao invés de mirar o câncer, ajuda as nossas defesas a detectá-lo e agredi-lo”, explica o Dr. Bernardo.De acordo com ele, 3% dos melanomas são hereditários. O especialista do Grupo Oncoclínicas indica alguns pontos de atenção que podem indicar propensão à doença:

Pessoas que possuem uma grande quantidade de pintas escuras espalhadas pelo corpo;
Incidência de melanoma em algum parente muito jovem (menos de 35 anos);
Mais de dois casos de melanoma na família (em qualquer idade).

Me sigam também nas redes sociais! Patrícia Cabral ⇒ Instagram– Facebook – Google+

 

Anúncios

Cabelos Oleosos| 8 Mitos e Verdades

Mitos-e-Verdades-Cabelos-Oleosos

Fios de cabelos grudados, oleosidade na pele, sensação de cabelos pesados, essas são só algumas das queixas de quem possui cabelo oleoso. Se você é daqueles que acorda de manhã, lava os cabelos e na hora do almoço já estão oleosos, com a sensação de sujos, então fique atento às dicas da Thais Antunes, barbeira e empreendedora que desvenda os mistérios desse incômodo que preocupa homens e mulheres.

Homens não tendem a ter cabelos oleosos

MITO – Segundo Thaisa maioria dos homens chegam ao salão reclamando que seus cabelos são oleosos. O cabelo curto favorece a distribuição mais rápida do sebo, o que gera a sensação de oleosidade, mas com algumas medidas é possível por fim a esse problema, como banhos mornos e xampus específicos. Homens que tem química no cabelo também tem tendência a ter os cabelos oleosos. O que deixa os cabelos oleosos é a progressiva.

Lavar o cabelo com água gelada diminui a oleosidade e hidrata

VERDADE. A água gelada ajuda a fechar a cutícula do cabelo, dando um efeito de mais brilho aos cabelos. De acordo com Thais Antunes, a dica é lavar o cabelo com uma água de morna para fria, e deixar o último jato mais gelado, isso vai ajudar no controle da oleosidade.

Existe xampu adequado para cada tipo de cabelo

VERDADE. Cada tipo de cabelo requer um cuidado específico. “No caso dos cabelos oleosos, o mais indicado são xampus transparentes, mas em conjunto com eles também é importante intercalar produtos leitosos, para evitar o ressecamento”, revela a barbeira.

Usar condicionador acima das orelhas aumenta a oleosidade

VERDADE. Uma pequena quantidade de condicionador já é o suficiente somente para o fechamento das cutículas, principalmente para os homens que possuem o cabelo mais curto. O condicionador é utilizado para repor parte do óleo natural do cabelo que é retirado pelo xampu. O couro cabeludo já produz uma oleosidade natural, por isso para quem tem cabelos compridos é preciso utilizar o condicionador apenas na extensão dos fios.

Álcool e vinagre ajudam a reduzir a oleosidade dos fios

MITO. Thais alerta que produtos de cozinha e alimentos são para ingestão. Cabelo é outra coisa. Existem produtos próprios para o cabelo, dos quais você consegue tirar a oleosidade, começando pelo xampu correto e a temperatura da água, além de outros cuidados.

Cabelos oleosos tem caspa

VERDADE. A alta testosterona afeta diretamente a glândula produtora de sebo, o que causa aumento da oleosidade, afetando a saúde dos cabelos, levando até dermatite seborreica, ou seja, a descamação do couro cabeludo. Thais, também acrescenta que o frio pode agravar a situação.

Relação hormonal

VERDADE. Nesses casos é necessário consultar um especialista, de preferência um dermatologista que pode fazer um tratamento para oleosidade e indicar outros profissionais caso seja necessário.

Química no cabelo deixa oleoso

VERDADE. A química pode prejudicar o couro cabeludo. É fundamental saber se há algum sinal associado, como a descamação do couro cabeludo, resultado de progressiva, ou algum tratamento químico.

Beijocasss!!

Me sigam também nas redes sociais! Patrícia Cabral ⇒ Instagram– Facebook – Google+ 

 

 

Pesquisa da SBD Afirma que Protetor Solar não Impacta na Produção de Vitamina D

Protetor-Solar-e-a-Produção-de-Vitamina-D

Um estudo inédito promovido pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, durante o II Simpósio Nacional de Cabelos e Unhas, em agosto de 2017, no Rio de Janeiro, identificou que a utilização do protetor solar e exposição leve ao sol não afeta a capacidade de síntese cutânea de vitamina D. Coordenado pelos dermatologistas Flávio Luz (secretário-geral), Clívia Carneiro, Hélio Miot (1o secretário) e Sandra Durães, o estudo contou com o apoio da equipe do laboratório de análises clínicas da Universidade Federal Fluminense (UFF) e envolveu 95 voluntários, entre dermatologistas, alunos e participantes espontâneos.

Os participantes foram divididos em três grupos: confinados da exposição solar por 24h, expostos a doses baixas de sol (10-15 min que não chegam deixar a pele avermelhada) com e sem fotoprotetor tópico (FPS 30). Os seus níveis de vitamina D no sangue foram medidos na manhã antes da exposição solar e também na manhã seguinte, permitindo o cálculo da variação desses níveis, no intervalo de 24h.

A pesquisa revelou que a variação dos níveis plasmáticos de vitamina D foi maior  para o grupo exposto com filtro solar do que para o grupo confinado, mostrando que ocorreu síntese efetiva de vitamina D após breve exposição ao sol, mesmo com filtro solar.

“A diferença da variação dos níveis plasmáticos de vitamina D entre o grupo exposto com filtro solar e o grupo exposto sem o filtro não atingiu diferença significativa, indicando que não houve diferença substancial entre a exposição solar leve com e sem filtro solar”, explica Hélio Miot.

O médico salienta que a síntese de vitamina D depende de doses muito baixas de UVB em pequenas áreas do corpo. A radiação atinge a pele através do vestuário leve e couro cabeludo, áreas que não são completamente cobertas pelo filtro solar.

Os resultados do experimento subsidiam a manutenção da indicação da fotoproteção regular frente à exposição moderada ao sol e confirmam que a exposição solar mais segura para a pele deva ocorrer fora dos horários de pico do UVB (10h-16h), sob vestuário adequado, sem risco de vermelhidão (o que degrada a vitamina D da pele) e sem compromisso da síntese de vitamina D.

Me sigam também nas redes sociais! Patrícia Cabral ⇒ Instagram– Facebook – Google+ 

5 Motivos Para Nunca Dormir Com o Cabelo Molhado

5-Motivos-Para-Não-Dormir-com-o-Cabelo-Molhado

1 – As fibras molhadas ficam mais sensíveis e o atrito com o travesseiro pode danificá-las, facilitando assim a quebra dos fios;

2 – Facilita a proliferação de fungos e bactérias, pois o ambiente úmido é ideal para proliferação de microrganismos;

3 – Aumenta a incidência de caspa e o aumento da oleosidade;

4 – Pode facilitar o surgimentos de alergias e doenças respiratórias;

5 – Causar o aumento da queda dos fios;

Um bônus pra mim é um cabelo rebelde e com vida própria! Por isso raramente durmo com o cabelo molhado e te aconselho a não fazer o mesmo!

Um ótimo dia pra vocês!!

Me sigam também nas redes sociais! Patrícia Cabral ⇒ Instagram– Facebook – Google+ 

 

10 Benefícios da Vitamina C para a Pele

10-Benefícios-da-Vitamina-C-para-a-pele

Os 10 benefícios do uso de dermocosméticos contendo vitamina C nos cuidados com a pele.

Problema cutâneo

Causa Efeito do uso de da vitamina C
Queimadura solar Exposição aguda e excessiva à luz solar Ação antioxidante da vitamina C aumenta a resistência da pele à radiação solar
Envelhecimento Idade, exposição crônica à luz solar e poluição Vitamina c previne danos oxidativos cutâneos causados pelos radicais livres
Manchas Idade, exposição à luz UV, inflamação, poluição Vitamina C reduz a hiperpigmentação por inibir a produção de melanina
Rugas Envelhecimento, estresse oxidativo, exposição à luz UV, tabagismo Vitamina C aumenta a produção de colágeno
Perda de luminosidade Envelhecimento, estresse oxidativo, exposição à luz UV Vitamina C reduz hiperpigmentação e melhora a luminosidade da pele
Flacidez Envelhecimento, estresse oxidativo, exposição à luz UV, tabagismo Vitamina C aumenta a produção de colágeno e a elasticidade da pele
Pele seca Baixa hidratação e disfunção na barreira da pele Vitamina C aumenta o conteúdo de ceramidas na pele, ajudando na recuperação da barreira da pele
Pele oleosa Aumento da produção sebácea Vitamina C evita a oxidação do sebo e tem ação anti-comedogênica
Inflamação Alergias e inflamação Vitamina C promove inibição de danos oxidativos e inflamatórios
Pele danificada Falhas no processo de cicatrização, envelhecimento e disfunção na barreira da pele Vitamina C favorece a cicatrização e aumenta o conteúdo de ceramidas na pele, ajudando na recuperação da barreira da pele

Se você ainda não usa essa maravilha, bora inserir a vitamina C na rotina de pele já!!

Beijocas e até mais!!

Beijocas e até mais! Me sigam também nas redes sociais! Patrícia Cabral ⇒ Instagram– Facebook – Google+ 

 

 

 

 

Bactéria pode tornar protetor solar mais seguro para nós e para o meio ambiente

Protetor-Solar-Dicas

Todo verão, médicos de todo o mundo nos alertam sobre a importância de usar protetor solar, principalmente antes de ir à praia. Idealmente, devemos reaplicar a cada poucas horas, especialmente depois de nadar. Enquanto o protetor solar nos protege de queimaduras dolorosas e, a longo prazo, do câncer de pele, há um lado obscuro: ele é muito ruim para a vida marinha.

Em particular, dois produtos químicos que são comumente usados ​​para filtrar raios UV, oxibenzona e octinoxato, representam uma ameaça para os recifes de corais e acredita-se que causam alergias graves à pele em indivíduos sensíveis.

Até 14.000 toneladas de protetor solar são dissolvidas no mar todos os anos. As substâncias químicas dispersas no processo contaminam a água e logo alcançam os recifes de corais e outros ecossistemas frágeis – justamente o que atrai muitos a locais marinhos exóticos.

Cientistas da Universidade da Flórida se propuseram a oferecer uma alternativa a esses produtos químicos tóxicos, melhores para a pele e para o meio ambiente. Eles descobriram uma maneira de ampliar a produção de um aminoácido que absorve UV e é tradicionalmente extraído de algas vermelhas. O problema com este método é que leva até um ano para as algas crescerem e mais tempo para processar o produto químico.

Os cientistas, que publicaram suas descobertas na revista ACS Synthetic Biology, desenvolveram um método muito mais rápido, usando uma cepa de cianobactérias de crescimento rápido chamada Synechocystis como célula hospedeira. Eles então sintetizaram o composto a partir de uma cianobactéria filamentosa conhecida como Fischerella – que o produz naturalmente.

Ao inserir esses genes nas Synechocystis, a equipe conseguiu produzir 2,37 miligramas do composto por grama de cianobactérias em apenas duas semanas. Os pesquisadores também testaram as qualidades do composto, confirmando que ele era capaz de proteger as células dos raios UV.

A nova metodologia pode ter uma variedade de aplicações, incluindo o uso de genes de cianobactérias para criar novos medicamentos. A equipe por trás da pesquisa está agora tentando comercializar o método.

Fonte: Climatologia Geográfica

Boa páscoa e ótimo feriado!!

Me sigam também nas redes sociais! Patrícia Cabral –> Instagram– Facebook – Google+ 

 

Erros Comuns ao Lavar o Rosto

Erros-ao-Lavar-o-Rosto

Parece simples e até intuitivo, algo que fazemos todos os dias, lavar o rosto, seja no banho ou na pia é rotina do dia a dia, mas e aí será que estamos fazendo da forma correta?

Veja os erros mais comuns na hora de lavar o rosto

Usar água quente – água quentinha é uma delícia e super relaxante, mas a água quente retira a hidratação natural da pele e pode deixar a sua pele sensibilizada, como também aumentar a oleosidade. Utilizar a água morna já tá ok, mas a fria também ajuda a fechar os poros.

Não demaquilar a pele antes de lavá-la – protetores solares mais resistentes, maquiagem à prova d’água e ou muito pigmentadas não saem completamente apenas com a lavagem, é aconselhável demaquilar a pele antes e em seguida lavar para retirar o que restou.

Já existem demaquilantes no mercado que são usados diretamente no chuveiro, eles são super práticos e eficientes, tem resenha aqui de uma opção da Bioré que eu gosto muito.

Lavar muitas vezes ao dia – estímulo da produção de sebo, resultado, uma pele ainda mais oleosa e caso tenha a pele ressecada, lavar em excesso vai ressecar ainda mais.

Não lavar as mãos antes de lavar o rosto – toda a sujeira e germes das mãos estarão em seu rosto se você não higienizá-las antes, parece óbvio mas a gente comete esse erro com frequência né?

Utilizar qualquer sabonete/limpador – pele oleosa, necessita de produto específico para pele oleosa, pele seca, produto para pele seca, pele acneica, produto direcionado para este fim, etc…É pra isso que existem produtos adequados para cada necessidade!

Quais desses erros vocês costumam cometer? Me digam!!

Beijocas e até mais!

Me sigam também nas redes sociais!! Patrícia Cabral —> Instagram– Facebook – Google+